1. Deus Nos Consolará em Nossas Aflições.

“Confiai em Deus com a mente firme e orai a ele com grande fé; e ele consolar-vos-á nas aflições” (Jacó 3:1).

mulher olhando para o céu

A Dependência É um Problema Sério.

O uso da pornografia e outras dependências não fere apenas os entes queridos mas a nós também. Abaixo estão alguns sentimentos que muitos cônjuges e membros da família sentem quando têm um membro da família com alguma dependência.

— Medo de que os entes queridos nunca se recuperem.

— Medo da possibilidade de que ele ou ela morra física e espiritualmente.

— Medo de que o ente querido prejudique outras pessoas ao seu redor, especialmente as crianças.

— Cansaço físico causado por falta de sono, estresse e ansiedade, coisas que comprometem a saúde.

— Confusão a respeito do motivo pelo qual nossos entes queridos se comportam tão irracionalmente e porque nada que dizemos ou fazemos parece fazer qualquer diferença.

— Perda de confiança em nossos entes queridos como resultado da mentira, decepção e manipulação.

— Vergonha e falta de esperança ao assumirmos erroneamente a responsabilidade pelas escolhas dos nossos entes queridos.

— Solidão e isolamento ao tentar manter a dependência de nosso ente querido em segredo a fim de proteger outras pessoas.

— Medo de que o convênio do batismo e os convênios do templo sejam quebrados de modo irreparável e os laços familiares eternos comprometidos.

— Dor e mágoa associadas à infidelidade física e virtual do cônjuge.

— Amargura em relação aos desafios financeiros ao lidar com gastos excessivos, programas de tratamento, despesas jurídicas, multas e destruição de propriedade.

— Medo de que a dependência contínua de nossos entes queridos reflita de alguma maneira em nossa falta de fé ou inabilidade de buscar a ajuda de Deus em benefício deles.

— Medo das consequências resultantes da possível prisão ou outras questões jurídicas de nosso ente querido.

Todas essas preocupações são válidas e com fé e apoio de outras pessoas elas podem ser trabalhadas com cuidado e tempo.

  • Como foi o impacto da dependência do seu ente querido em você?

  • Quais dos sentimentos listados acima você já sentiu? Você teve outros sentimentos?

Deus Está Ciente da Nossa Situação

Pode haver momentos em que nos perguntamos se Deus sabe o que estamos passando enquanto nossos entes queridos lutam contra a dependência. Ao voltarmos nosso coração e nossa mente para Deus, podemos sentir Sua presença e direção. O Élder Kevin W. Pearson, dos Setenta, disse: “Ele ama cada um de nós perfeitamente e é cheio de misericórdia e compreensão. Ele sabe tudo sobre nós. Conhece nossas necessidades, até mesmo quando só temos olhos para nossos desejos. Ele tem o poder e a capacidade infinitos de nos sustentar e guiar. Está sempre disposto a nos perdoar e nos ajudar em todas as coisas” (“Melhorar Suas Orações Pessoais”, A Liahona, junho de 2013, p. 38). O Presidente Thomas S. Monson ensinou: “Repito, meus irmãos e irmãs, que nosso Pai Celestial está ciente de nossas necessidades e Ele vai nos auxiliar se O invocarmos pedindo ajuda. Não creio que nenhuma preocupação que tenhamos seja demasiadamente pequena ou insignificante. O Senhor conhece os detalhes de nossa vida” (“Pensem nas Bênçãos”, A Liahona, novembro de 2012, p. 86).

  • Que evidências você tem de que Deus conhece você? Como esse conhecimento vai fortalecer sua fé e dar-lhe coragem.

  • O vai fazer se começar a sentir que Deus está ignorando você ou não se importa mais com a sua situação?

Deus Nunca Nos Abandonará

Podemos pensar erroneamente que temos que ser perfeitos para merecer a ajuda de Deus. A despeito de nossos esforços, pode haver momentos em que nos sentimos sozinhos e que Deus não está ouvindo nossas súplicas. No entanto, Ele está nos abençoando mesmo quando as coisas parecem sem solução. O Senhor prometeu que Ele nunca nos abandonará. “Mas eis que Sião disse: O Senhor abandonou-me e meu Senhor esqueceu-se de mim — ele, porém, mostrará que não é assim. Pois pode uma mulher esquecer o filho que está amamentando e deixar de sentir compaixão do filho de suas entranhas? Sim, pode esquecer; eu, porém, não te esquecerei, ó casa de Israel. Eis que te tenho gravada nas palmas de minhas mãos; teus muros estão continuamente diante de mim” (1 Néfi 21:14-16). Podemos orar para que a ajuda de Deus seja uma força estabilizadora em nossa família. Podemos aumentar a medida do Espírito em nossa vida quando oramos, estudamos as escrituras, jejuamos, frequentamos o templo e esperamos pacientemente no Senhor (ver Isaías 40:31). Ao agirmos assim, Sua graça nos atenderá. Teremos a certeza de que Ele nunca nos abandonará e nossa fé Nele será fortalecida.

  • Quando você já percebeu a presença de Deus em sua vida?

 

Deus Vai Nos Consolar em Nossas Aflições

O Senhor sempre proporciona consolo, orientação e força mesmo quando nós não percebemos. As evidências sutis e ternas do amor e apoio de Deus vêm de várias maneiras; por exemplo, elas podem vir por meio de mãos dispostas a ajudar ou durante aulas, discursos ou hinos que falam diretamente para nós (ver seção 6: “Carregar os Fardos Uns dos Outros”). Em outros momentos, uma ideia ou impressão pode ajudar-nos a obter maior entendimento e orientação e sentir um amor cada vez maior. Também é útil lembrar as incontáveis vezes que o Senhor nos abençoou e guiou no passado. O Élder Jeffrey R. Holland ensinou: “Cristo e Seus anjos e Seus profetas trabalham sempre para elevar nosso espírito, serenar nossos nervos, acalmar-nos o coração e levar-nos para frente com energia renovada e firme esperança” (“As Coisas Pacíficas do Reino”, A Liahona, janeiro de 1997, p. 88). Ao continuarmos com fé, um passo de cada vez, reconhecemos o Senhor como a fonte de nosso amparo. Reconhecemos que nosso amoroso Pai Celestial e Seu Filho Jesus Cristo nos auxiliam nos momentos de necessidade.

  • Como o Pai Celestial amparou você nas aflições?

  • O que você diria para ajudar alguém que sente que o Pai Celestial não o(a) está amparando?

Estudo do Evangelho

Em espírito de oração, considere usar os seguintes recursos em seu estudo pessoal.

2 Néfi 2:2 (O Senhor consagrará as aflições para nosso benefício)

2 Néfi 4:17–35, Alma 36:3 (Deus nos auxilia em nossas tribulações)

M. Russell Ballard, “Quão Astuto É o Plano do Maligno”, A Liahona, novembro de 2010, p. 108

Henry B. Eyring, “Onde Está o Pavilhão?” A Liahona, novembro de 2012, p. 72

Jeffrey R. Holland, “Não Havia Ninguém com Ele”, A Liahona, maio de 2009, p. 86.

Thomas S. Monson, “Nunca Andamos Sozinhos”, A Liahona, novembro de 2013, p. 121.

Dieter F. Uchtdorf, “O Amor de Deus”, A Liahona, novembro de 2009, p. 21.

 

 

Aprendizado e Aplicação Pessoal

As seguintes atividades são para estudo pessoal a fim de melhorar o aprendizado e a aplicação: Mantenha um diário de pensamentos, sentimentos, ideias e planos para implementar o que aprender. À medida que as necessidades e circunstâncias na vida mudam, a repetição dessas atividades vai fornecer-lhe novas ideias

  • Estude o discurso do Élder M. Russell Ballard: “Quão Astuto É o Plano do Maligno” (A Liahona, novembro de 2010, p. 108). O que você aprendeu? Como foi o impacto da dependência do seu ente querido em você? O que você se sente inspirado(a) a fazer? Converse com alguém de confiança sobre a situação. Peça conselhos à pessoa e faça um plano para agir de acordo com o que aprender.

  • Leia e estude o discurso do Presidente Thomas S. Monson: “Nunca Andamos Sozinhos”, (A Liahona, novembro de 2013, p. 121). O que você aprendeu? Que evidências você tem de que Deus está ciente dos seus desafios e está amparando você? Faça uma lista das evidências que recebeu de que Deus conhece você. Como essas evidências fortalecem a sua fé? Como você pode reconhecer melhor Sua ajuda?

  • Leia o discurso do Presidente Henry B. Eyring: “Onde Está o Pavilhão?” (A Liahona, novembro de 2012, p. 72) ou do Élder Jeffrey R. Holland: “Não Havia Ninguém com Ele”, (A Liahona, maio de 2009, p. 86). Que evidências você tem de que Deus conhece você pessoalmente e sabe o que você está passando? O que vai fazer para se aproximar de Deus e buscar saber que Ele conhece e se importa com você?

  • Leia as escrituras deste esboço. O que você aprendeu? Que outras escrituras você acrescentaria a esse esboço? Como Deus já amparou você anteriormente? Como Ele está amparando você agora? O que pode fazer para sentir melhor Seu amor e apoio?

  • Considere os princípios, as promessas e a paz encontrados nestes hinos: “Castelo Forte” (Hinos, nº 32); “Comigo Habita!” (Hinos, nº 97); “Careço de Jesus” (Hinos, nº 61); “O Senhor Meu Pastor É” (Hinos, nº 37).