3. Ele tomará sobre Si as dores e as enfermidades de Seu Povo

“Ele tomará sobre si as dores e as enfermidades de seu povo. (…) E tomará sobre si as suas enfermidades, para que se lhe encham de misericórdia as entranhas, (…) para que saiba, (…) como socorrer seu povo, de acordo com suas enfermidades” (Alma 7:11–12).

Compreender que nenhuma bênção será negada

Queremos ter uma família eterna, mas as escolhas de nossos entes queridos podem ameaçar nossas esperanças. O medo de talvez perder nossa família eterna pode nos causar grande sofrimento. Podemos duvidar e ser tentados a desistir do plano do Pai Celestial. Muitos de nós sentem que estamos apenas seguindo em frente, apegados a Deus por hábito, reflexo ou desespero. Pode ser difícil prosseguir em meio a promessas quebradas e sonhos ameaçados. A escolha que fazemos depende se temos fé em Deus ou não, mesmo quando não podemos ver como as promessas de Deus serão cumpridas. O élder Dallin H. Oaks disse:

“Não podemos controlar e não somos responsáveis pelas escolhas dos outros, mesmo quando o impacto em nós é muito doloroso. Tenho certeza de que o Senhor ama e abençoa os maridos e as esposas que tentam, com todo o amor, auxiliar o cônjuge que luta com problemas tão sérios como pornografia ou outro comportamento vicioso, ou ainda as consequências duradouras de maus-tratos ou abusos na infância.

Seja qual for o resultado ou por mais difíceis que sejam suas experiências, vocês têm a promessa de que as bênçãos de relacionamentos familiares eternos não lhes serão negadas se vocês amarem o Senhor, cumprirem Seus mandamentos e derem o melhor de si (“Divórcio”, A Liahona, maio de 2007, p. 73).

  • De que maneira as suas expectativas e os seus sonhos foram influenciados pelas escolhas de um ente querido?

  • Por que você precisa acreditar nas promessas do Pai Celestial e de Jesus Cristo e não apenas acreditar Neles?

Permitir que Jesus Cristo cure nossa dor e tristeza mais profunda

Se nós permitirmos, a dor e a tristeza resultantes das escolhas de nossos entes queridos podem nos levar ao Salvador. A Expiação não apenas sobrepuja a morte e o pecado, mas também tem o objetivo de curar nossa dor, nossa tristeza e qualquer outra aflição. O élder C. Scott Grow disse: “Por meio de Sua Expiação, Ele cura não apenas o transgressor, mas também o inocente que sofre por causa dessas transgressões” (“O milagre da Expiação”, A Liahona, maio de 2011, p. 109). O Espírito vai nos ajudar a entender que Cristo conhece nossa dor porque Ele literalmente tomou sobre Si nossas dores e nossas enfermidades (ver Alma 7:11). Podemos encontrar esperança por meio do poder capacitador de Jesus Cristo de que seremos curados e amparados em nossas provações a despeito das escolhas e dos atos dos nossos entes queridos. O élder Dallin H. Oaks disse: “O poder de cura do Senhor Jesus Cristo — quer Ele remova nossos fardos ou nos fortaleça para perseverarmos e vivermos com eles como o apóstolo Paulo — aplica-se a todas as aflições da mortalidade” (“Ele cura os oprimidos”, A Liahona, novembro de 2006, p. 8). A cura real não se torna completa enquanto não nos achegamos ao Salvador.

  • Quando você sentiu paz e esperança por meio do Salvador a despeito das aflições?

  • O que pode impedi-lo de vir a Cristo e exercer fé Nele para que Ele possa curá-lo?

Compartilhar nossos fardos com o Senhor

Quando nos achegamos a Cristo com fé e confiamos Nele para sermos capazes de suportar nossos fardos, podemos sentir Seu poder de cura. O élder Richard G. Scott aconselhou: “Muitos de vocês carregam desnecessariamente fardos pesados demais porque não abrem o coração para que o Senhor os cure. (…) Coloque o fardo aos pés do Salvador” (“Libertar-se dos fardos pesados”, A Liahona, novembro de 2002, pp. 86, 88). O Senhor está ansioso para nos abençoar. Podemos encontrar grande força se compartilharmos nossos fardos com o Senhor, “confiando plenamente nos méritos daquele que é poderoso para salvar” (2 Néfi 31:19). Infelizmente, podemos ainda sofrer as consequências das escolhas erradas de nossos entes queridos. Ainda assim, podemos receber Sua paz — aquela paz “que excede todo o entendimento” (Filipenses 4:7) — a despeito das nossas circunstâncias.

Ao nos esforçarmos para nos achegar a Cristo e exercermos fé Nele, Ele nos dará força além da nossa própria força. Jesus disse: “Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a este monte: Passa daqui para acolá; e haveria de passar; e nada vos seria impossível” (Mateus 17:20). Quando nos lembramos de que nosso Salvador vai nos ajudar, nossa fé simples se desenvolve e aumenta. O élder Jeffrey R. Holland ensinou: “O tamanho de sua fé ou o nível de seu conhecimento não é o problema — trata-se da integridade que vocês demonstram em relação à fé que vocês têm e a verdade que já conhecem” (“Eu creio, Senhor”, A Liahona, maio de 2013, p. 94).

  • Em sua opinião, o que significa colocar os fardos aos pés do Salvador?

  • Quais fardos você vai colocar aos pés Dele? 

Entender que a mudança leva tempo

Podemos ficar impacientes para que a mudança ocorra porque queremos parar de sofrer. Embora façamos tudo o que podemos para buscar a cura e reconhecer que o Senhor está nos ajudando, constatamos ainda que o processo de cura e recuperação leva tempo. Enquanto continuamos a ter esperança nas mudanças a curto prazo, também precisamos aceitar que algumas delas podem levar a vida toda ou mais tempo ainda. O élder Dallin H. Oaks declarou: “Nem todos os problemas são vencidos, nem todas as relações necessárias são estabelecidas na mortalidade. O trabalho de salvação continua além do véu da morte e não devemos ficar muito apreensivos se algumas coisas não forem concluídas dentro dos limites da mortalidade” (“Ideias profundas”, A Liahona, janeiro de 1996, p. 28). Nossos entes queridos podem escolher não mudar, podem não ter motivação para mudar, podem ter recaídas e podem continuar a ser tentados. Embora seja preciso dar tempo e espaço para que eles se arrependam, não toleramos comportamento abusivo de nenhuma maneira (ver princípio 8, “Ser firmes e constantes”, seção intitulada “Não precisamos tolerar o comportamento abusivo de nossos entes queridos”). Temos a oportunidade de esperar e orar ativamente por nossos entes queridos, apoiando-os à medida que progridem e se achegam ao Salvador em busca de cura.

  • Como você pode desenvolver e demonstrar fé em meio à adversidade?

  • Como a fé pode ajudá-lo(a) a ser curado(a) mesmo que seu ente querido fracasse em manter a recuperação?

Estudo do evangelho

Ao estudar os recursos listados abaixo, considere em espírito de oração como você pode aplicar os princípios que eles ensinam. 

Isaías 49:13–16 (O Salvador não nos desamparará.)

Hebreus 4:14–16 (Podemos encontrar ajuda em momentos de necessidade por meio da graça e misericórdia do Salvador.)

2 Néfi 9:21; Alma 7:11–13 (O Salvador tomou sobre Si as nossas dores e aflições.)

3 Néfi 9:13–14 (Cristo nos cura ao nos aproximarmos Dele.)

3 Néfi 17:5–20 (Cristo deseja nos curar e Se oferece para isso.)

C. Scott Grow, “O milagre da Expiação”, A Liahona, maio de 2011, p. 108.

Kent F. Richards, “A Expiação cobre toda dor”, A Liahona, maio de 2011, p. 15.

Capítulo 5: “Aceitar a Expiação de Jesus Cristo”, Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Brigham Young, 1997, p. 37.

Vídeos: “Aliviar fardos”, “Minha alegria é completa”.

Aprendizado pessoal e aplicação

As atividades a seguir servem para melhorar seu aprendizado e a aplicação desses princípios. Mantenha um diário de seus pensamentos, sentimentos, ideias e planos para aplicar o que aprendeu. À medida que as necessidades e circunstâncias de sua vida mudarem, a repetição dessas atividades vai lhe proporcionar novas ideias.

  • Estude e pondere sobre escrituras a respeito de Jesus Cristo e de Sua Expiação. O que essas escrituras ensinam sobre o poder do Salvador? Por que essas passagens são importantes para você? Como o Salvador pode fortalecer você mesmo se o seu ente querido continua na dependência? Pense na possibilidade de compartilhar essas escrituras e seus pensamentos com alguém e converse sobre como o Salvador tem fortalecido você.

  • Dê uma olhada no Livro de Gravuras do Evangelho, e encontre gravuras sobre receber paz e cura por meio do Salvador. Por exemplo, Jesus acalma a tempestade poderia representar como Cristo pode nos dar paz e consolo enquanto perseveramos. Leia as escrituras relacionadas com as gravuras (as referências estão abaixo do título da gravura na visualização online), e pense sobre o que aprende ou sente sobre o Salvador e Sua Expiação.

  • Estude e pondere sobre o discurso do élder Kent F. Richards, “A Expiação cobre toda dor”, e assista ao vídeo “Aliviar fardos”. O que você aprende sobre a Expiação? O que se destaca para você? Que sussurros do Espírito você recebe? Que partes fornecem consolo em suas dificuldades?

  • Estude Alma: 7:11–13, 2 Néfi 9:21 e a definição de “Graça” no Guia para Estudo das Escrituras. Como aprender a respeito do Salvador e Sua Expiação pode abençoar sua vida? O que você vai fazer para buscar o Salvador mais plenamente em sua vida?

  • Pense sobre os princípios ensinados nesses hinos: “Vinde a Cristo” (Hinos, nº 69); “Deus nos rege com amor” (Hinos, nº 47); “Ó doce, grata oração” (Hinos, nº 79).

Guia de Apoio: Ajuda para Cônjuges e Familiares de Pessoas em Recuperação

Cônjuges e Famílias

Selecione uma Seção
Introdução
1234
5678
9101112