Nada É Impossível

*A História de Kacie


Um casal caminhando ao pôr do sol de mãos dadas.

Descobri que meu marido era dependente de pornografia nove meses após nosso casamento. Ele não havia apenas se envolvido com a pornografia durante nosso namoro e noivado, mas esse comportamento encontrou espaço em nosso novo e frágil casamento. Não há palavras suficientes para descrever a raiva, dor e traição que senti quando descobri. Acima de tudo, senti que havia sido enganada ao casar-me com ele. Por termos nos casado no templo, sentia-me presa a um casamento eterno com um homem que eu não conhecia e em quem certamente não podia confiar.

Nosso bispo nos sugeriu o Programa de Recuperação de Dependências especificamente para a dependência de pornografia e concordamos em participar. O programa foi estruturado como uma reunião de grupo e no começo era muito embaraçoso participar, especialmente quando descobri que uma mulher que trabalhava comigo também participava do grupo. Esses sentimentos foram diminuindo com o tempo, ao desenvolver um vínculo com outros membros que estavam enfrentando problemas parecidos.

Logo após o início do tratamento, uma mulher me puxou de lado e sugeriu veementemente que eu pedisse a anulação do meu casamento antes de nosso aniversário de um ano. Ela compartilhou comigo como seu marido havia tido repetidas recaídas em sua dependência, mesmo após receber ajuda, e como ela se sentia por não poder abandoná-lo porque ela tinha quatro filhos para criar. Ela me incentivou a pedir a anulação para que assim eu pudesse evitar filhos e um divórcio. Ponderei muito sobre as palavras dela e fiquei triste em meu coração durante a semana que se seguiu. Após uma conversa com meu presidente de estaca e após muito ponderar e orar, senti que trabalharia pelo meu casamento enquanto meu marido também o fizesse. Embora estivesse nervosa com ele, reconhecia que pelo menos ele estava tentando mudar.

As coisas pioraram antes de melhorar. Lembro-me que o pior momento foi perto do nosso aniversário de um ano de casamento quando meu marido me perguntou se eu ainda o amava, e eu respondi que honestamente não sabia. Os meses que se seguiram passaram com severas crises de dor e sofrimento, e fui atormentada por pesadelos e pela solidão. Muitas vezes implorei ao Pai Celestial para me dar a força para suportar.

Com o passar do tempo e com as coisas melhorando, pude me concentrar em várias verdades valiosas que aprendi e que ajudaram minha recuperação:

  1. É um mito pensar que as pessoas procuram a pornografia quando não estão satisfeitas sexualmente. Senti um fardo enorme por acreditar que eu havia levado meu marido à pornografia pois de alguma maneira eu não o satisfazia. Na realidade, a maioria das pessoas com essas dependências começaram muitas vezes na infância. Ele já tinha essa dependência muito antes de me conhecer e a escolha dele de participar dela não era de forma alguma minha culpa.

  2. É de vital importância que ambos os parceiros procurem ajuda. Mesmo eu não sendo a responsável direta pelo comportamento do meu marido, minha atitude definitivamente desempenhou um papel em como nós lidamos com os problemas juntos. Descobri muito sobre mim e mudei tanto por meio desse processo, que muitas vezes me pergunto se aprendi mais do que meu marido na terapia.

  3. É preciso manter as redes de proteção no lugar, especialmente após parar a terapia. Eu e meu marido estipulamos muitas regras rígidas sobre o uso das mídias, e as diminuímos com o tempo quando sentimos que era seguro e apropriado.

  4. Isso exige um esforço de todo o coração para seguir em direção à recuperação. Estar de mente aberta para coisas que as pessoas percebiam em mim me permitiu fazer as mudanças necessárias para melhorar meu casamento.

  5. É preciso muito tempo para recuperar-se. Mesmo quando as coisas ficaram mais estáveis, descobri que eu ainda nutria um profundo ressentimento em relação a meu marido. Eu ficava nervosa quando outras pessoas o elogiavam, pensando: “Se eles realmente o conhecessem não diriam essas coisas dele”. Para combater tais sentimentos, mantive um diário de gratidão durante um mês e escrevi uma coisa, todas as noites, que demonstrava minha gratidão por meu marido. Algumas vezes era quase impossível escrever ao menos uma ideia nesse diário. Agora, me alegro com os elogios que meu marido recebe e eu não poderia ter páginas suficientes em apenas um caderno para escrever todas as coisas que admiro nele.

Possivelmente não poderia descrever cada passo que dei durante esse processo, mas posso dizer que nada é impossível por meio de Jesus Cristo. Eu implorei para que Ele restaurasse meu casamento, mas ao invés disso Ele me levou a um que é muito mais elevado. Aproximei-me Dele ao ver meu marido como Ele o via e ao oferecer perdão enquanto reconhecia que somos todos mendigos perante o Senhor.

Hoje eu e meu marido estamos casados há cinco anos e temos uma linda filha. Temos um casamento excelente e uma vida maravilhosa e abençoada. Já não vivo mais com medo. Já não olho mais para meu marido e sinto amargura e ressentimento. Apenas por meio do Salvador esse tipo de cura é possível. Ele curou minhas feridas por meio de sua graça.

*O nome foi alterado.