O Poder para Curar Todos

A História de Joanne


Mulher tocando a orla da túnica de Cristo.

A dependência do meu marido à pornografia e à masturbação começou logo depois que nos casamos. Foi gradual, e ele sempre foi rápido para confessar-me que ele escorregou em episódios mais frequentes e graves. Passaram-se anos até que começássemos a usar a palavra dependência e ele assumir o compromisso de buscar ajuda fora de nosso lar.

A dependência de meu marido me afetou de várias maneiras. Senti-me traída por suas atitudes, minha autoestima estava abalada e me sentia inadequada. Embora ele nunca me culpasse diretamente, senti que se eu fosse um pouco melhor ele ficaria mais feliz e não recorreria à sua dependência. Eu "pisava em ovos" quando ele ficava irritado ou deprimido e me preocupava constantemente para que ele não cedesse à tentação. Comecei a suspeitar de tudo e ficar paranoica; tinha vergonha porque aquele não era o homem com quem eu tinha me casado e nem era vida que esperava ter. Por muito tempo, pensei que o problema iria sumir algum dia, então eu não quis compartilhar esse segredo com outras pessoas para pedir apoio. Eu me sentia muito sozinha.

Senti-me culpada e vivia com medo e ansiedade a respeito do futuro, assumindo a responsabilidade pela dependência de meu marido. Comecei a criar regras para ele como tentativa de controlar suas escolhas. Contudo, eu finalmente cheguei ao ponto de não encontrar esperança para a minha situação. Nenhum dos meus esforços para mudá-lo davam resultado. Apesar de estabelecer filtros, controles e aumentar nossa atividade espiritual, a dependência dele se agravara. Eu implorei, chorei e o constrangi para que mudasse. E apesar de meus esforços para ser mais próxima, ele ainda tinha recaídas. Eu ficava mais frustrada a cada episódio e crescia o sentimento de que eu estava fracassando e que ele não lutava com afinco.

Após algum tempo, descobri o Programa de Recuperação de Dependências e comecei a trocar mensagens anonimamente com outras mulheres sobre minhas experiências. Os amigos que fiz online e as mulheres dos grupos de apoio do PRD me tiraram do local escuro e solitário onde eu sofria.

Após ler atentamente sobre os passos 1, 2 e 3, finalmente percebi que Deus estava no comando. O meu marido tinha o arbítrio. Embora eu não pudesse controlá-lo, senti que o Pai Celestial me amava. Eu sou uma de Suas filhas e tive certeza que Ele me apoiaria em tudo que estivesse no meu caminho. O Programa de Recuperação de Dependências ensina o mesmo processo de arrependimento e cura que aprendemos no evangelho. O poder de cura da expiação é acessível a todos que sofrem. Encontrei esperança por intermédio do Salvador e pude recorrer a Ele para vencer meus medos e sofrimentos.

Desde que eu comecei a participar do programa de recuperação de dependências, aprendi que a dependência de meu marido não é culpa minha. Eu não as causei. Não quero mais gastar minha energia preocupando-me com o que ele faz a cada hora do dia. Sei que posso amá-lo e perdoá-lo com a ajuda do Salvador. Aprendi a ceder minhas vontades ao Senhor. Mesmo se a situação ficasse ruim, sei que eu ficaria bem. O Senhor não vai me abandonar. Minha esperança é que o Salvador cure meu marido, em Seu tempo e de acordo com a disposição de meu esposo.

Aprendi que não importa quais são as circunstâncias em nossa vida, eu sou responsável por minha felicidade. A paz advinda do Pai Celestial sempre estará disponível para mim, independentemente das escolhas de qualquer outro indivíduo. Tenho controle sobre uma coisa em minha vida que é a maneira como lido com as adversidades que surgem em meu caminho. Deus não removerá os obstáculos de meu caminho quando eu interferir no arbítrio de outrem, mas posso encontrar a força que necessito para suportar tais provações por meio do poder de Jesus Cristo.

Atualmente, meu marido ainda tem recaídas, mas aprendi como levar os meus sentimentos de frustração até o Senhor. Tenho a capacidade de amar meu esposo apesar de sua dependência e por isso somos um casal melhor e mais feliz. Sou abençoada por conhecer e ter amizade com outras mulheres inspiradoras que me apoiaram nos meus momentos mais atribulados. Tenho uma compreensão renovada da expiação e recebo manifestações frequentes do amor que o Pai Celestial sente por mim. Sou muito grata pelas bênçãos grandiosas que recebi pela mão de Deus ao longo dessa experiência tão difícil.