Resolver o Problema Juntos

*A História de Candice


Um casal de mãos dadas.

Sabia da dependência da pornografia de meu marido antes de casarmos, mas nunca entendi o impacto que isso teria em todos os aspectos de nossa vida juntos.

Quando a dependência da pornografia se mistura com a obsessão por jogos de computador e o desemprego, então temos a receita para a infelicidade. Durante o segundo ano de nosso casamento, atingi o ponto mais baixo de minha depressão. Passei a maior parte dos meus dias sentada em uma cadeira de balanço no quarto do meu filho recém-nascido, balançando-o e olhando pela janela enquanto chorava. Decidi que era hora dessa infelicidade acabar. Fiz planos para o divórcio. Estava preparada para seguir adiante com o divórcio, mas senti que devia falar com o bispo primeiro.

Alguns dias depois, meu marido me disse que ele teria um conselho disciplinar e que eu poderia ir junto se quisesse, mas que eu não precisava ir. Fiquei desalentada. Não era assim que o casamento eterno deveria ser, ou como eu sonhava durante as aulas das Moças quando ensinavam sobre o casamento eterno. Decidi que contaria ao bispo sobre minha decisão de me divorciar naquela noite.

Quando o bispo me chamou no seu escritório, ele me olhou diretamente nos olhos e me disse que Satanás tinha tudo para destruir minha família, mas que ainda era possível salvá-la. Ele disse que ainda havia esperança para minha família.

Voltei para casa determinada a não deixar Satanás vencer. Eu havia lutado contra ele na pré-existência, e agora lutaria com tudo que tivesse ao meu alcance aqui na Terra. Li todos os discursos da conferência geral que falavam sobre perdão, a Expiação, família, esperança e superar desafios. Procurei todas as escrituras sobre o tema do perdão. Eu não sabia se poderia algum dia perdoar toda a dor e desapontamento, mas orei sinceramente para ser capaz de perdoar meu marido.

Uma manhã ajoelhei-me e prometi ao Pai Celestial que, se Ele me fortalecesse, nunca mais pensaria no divórcio. Já se passaram oito anos desde aquele dia. A dependência ainda está presente, com seus altos e baixos, mas continuamos trabalhando juntos em nosso casamento.

Meu bispo me disse muitas vezes que eu não estava sozinha e que a pornografia era um grande problema na Igreja, mas eu não conhecia ninguém que tivesse um marido dependente de pornografia. Quando o bispo nos deu informações sobre o Programa SUD de Recuperação de Dependências, percebi que tinham uma reunião de grupo em que apenas esposas de maridos dependentes de pornografia participavam. Imediatamente senti que ali era o local onde eu precisava ir. Disse a meu marido que ele podia ir comigo se quisesse, mas que eu iria de qualquer maneira.

Acabamos indo juntos, ele para a reunião dos homens e eu para a das mulheres. As reuniões do PRD me permitiram ver que havia outras mulheres lidando com os mesmos problemas que eu. Comecei a lidar com os sentimentos que estavam trancados. Aprendi como ser feliz, não importando o que meu marido fizesse. As ações dele não precisavam controlar as minhas emoções e ações, os meus sentimentos ou minha autoestima. Aprendi a amar, perdoar, apoiar-me no Salvador e tornar-me independente das influências externas. Meu marido deu o salto inicial que precisava e continua frequentando as reuniões de recuperação.

Como cônjuge, posso amar e dar apoio ao meu marido, mas não posso abandonar a dependência no lugar dele. É um caminho que ele precisa seguir. Mas eu estarei junto a ele, torcendo do lado de fora, pelo tempo que for necessário. Esforçamo-nos para criar nossos filhos em um lar feliz, ambos trabalhando para sermos amigáveis e amar um ao outro. Meu marido é um ótimo pai para nossos filhos e eles o adoram. Ele é meu melhor amigo.

Sou grata pelo que o PRD, os líderes do sacerdócio amorosos e nosso Salvador, acima de tudo, me ensinaram a respeito de amar e perdoar. Embora meu marido ainda lute contra a dependência, por causa do evangelho de Jesus Cristo eu posso sorrir todos os dias.

*O nome foi alterado.