4º Passo: Verdade — A História de Austin sobre Sua Recuperação de Dependência

4º Passo Verdade

PRINCÍPIOS-CHAVE: Fazer um minucioso e destemido inventário moral de si mesmo.

Quando você deu o 3º passo, decidiu confiar no Senhor. Entregou sua vida e sua vontade aos cuidados de Deus. No 4° passo, você demonstrará sua disposição de confiar em Deus. Você fará por escrito um inventário destemido e minucioso de sua vida, ponderando ou resumindo seus pensamentos, eventos, emoções e ações de sua vida, de modo que ele seja o mais completo possível.

Fazer um inventário destemido e minucioso de sua vida não será fácil. Quando dizemos destemido, não queremos dizer que você não terá temores. Provavelmente experimentará muitas emoções ao pesquisar sua vida, inclusive constrangimento, vergonha ou medo. Destemido significa que você não permitirá que seus temores o impeçam de ser minucioso no processo de escrever o inventário. O 4º passo, significa que você se comprometerá a ser rigorosamente honesto ao enfocar os eventos de sua vida, inclusive suas próprias fraquezas, e não as de outra pessoa.

No passado você provavelmente justificou seu mau comportamento e culpou outras pessoas, lugares ou coisas por problemas que você criou. Agora você começará a assumir a responsabilidade pelos atos passados e atuais, mesmo que precise reconhecer eventos, pensamentos ou emoções ou atos dolorosos, embaraçosos ou difíceis.

Se a ideia de fazer um inventário minucioso e destemido de si mesmo lhe parecer demasiadamente difícil, saiba que não está sozinho. Sabemos o que está sentido. Lembramos como foi difícil encontrar a disposição para dar esse passo. Muitos de nós perguntamos se poderíamos pular totalmente o 4° passo e mesmo assim vencer nossas dependências. Por fim, tivemos que acreditar nas palavras dos que nos precederam: “Sem um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmos, (…) a fé que realmente funciona em nossa vida diária ainda estará fora de nosso alcance” (Twelve Steps and Twelve Traditions [Doze Passos e Doze Hábitos], 1981, p. 43)

A dependência prejudicou nossa capacidade de refletir honestamente sobre nossa vida. Limitou nossa capacidade de compreender os danos e confusão — as consequências — que ela causou em todos os nossos relacionamentos. Antes de podermos confiar com segurança no Salvador, precisamos de uma estrutura por meio da qual Ele possa ajudar-nos a analisar honestamente o nosso passado. O 4° passo provê essa estrutura. Ele foi o “esforço vigoroso e doloroso necessário para descobrir quais foram e são essas consequências em cada um de nós” (Twelve Steps and Twelve Traditions [Doze Passos e Doze Hábitos], p. 42).

O inventário também foi um passo para ajudar-nos a tornar nossa vida condizente com a vontade de Deus. Por meio desse inventário, identificamos pensamentos negativos, emoções e ações que governavam nossa vida. Ao descobrirmos esses elementos destrutivos em nossa vida, demos o primeiro passo para corrigi-los. Fazer o inventário foi difícil, mas esse passo abriu as portas para adquirirmos mais fé e esperança necessárias para continuarmos nossa recuperação e vencermos a dependência.

 

Como fazer um inventário

Depois que admitimos a necessidade do 4° passo, as perguntas seguintes foram: “Mas como faço um inventário? Quais ferramentas preciso? Um inventário é um processo muito pessoal e não há uma forma única de fazê-lo. Você pode consultar outras pessoas que já fizeram um inventário e buscar a orientação do Senhor para fazer o seu próprio. Ele o ajudará a ser verdadeiro e amoroso ao analisar suas lembranças e sentimentos.

Uma maneira de fazer um inventário é relacionar lembranças de pessoas; instituições ou organizações; princípios, ideias ou crenças; e eventos, situações ou circunstâncias que suscitam sentimentos positivos e negativos (inclusive tristeza, remorso, raiva, ressentimento, medo, amargura). Alguns itens da lista podem aparecer diversas vezes. Não há problema nisso. Não tente ordenar, julgar ou analisar as coisas por enquanto. A coisa mais importante no momento é ser o mais minucioso possível.

Ao fazer seu próprio inventário, olhe para além de seu comportamento passado e analise os pensamentos, sentimentos e crenças que o levaram a seu comportamento. Seus pensamentos, sentimentos e crenças são na verdade as raízes de seu comportamento de dependência. A menos que você examine todas as suas tendências em relação a medos, orgulho, ressentimento, raiva, egoísmo e autocomiseração, sua abstinência será na melhor das hipóteses muito precária. Você continuará com sua dependência original ou a trocará por outra. Sua dependência é um sintoma de outras “causas e condições” (Alcoholics Anonymous, 2001, p. 64)

Algumas pessoas agrupam sua vida de acordo com idade, série da escola, locais de moradia ou relacionamentos. Outros começam simplesmente escrevendo tudo o que lhes vêm à mente. Você provavelmente não se lembrará de tudo de uma vez. Continue mantendo um espírito de oração e permita que o Senhor o faça recordar as coisas. Deixe o processo em aberto e acrescente coisas a seu inventário à medida que se lembrar delas.

Depois que tiver terminado sua lista, procure a orientação do Senhor para aprender com cada lembrança. Algumas pessoas organizam essa parte de seu inventário em uma tabela ou gráfico, com colunas para cada um dos cabeçalhos abaixo. Elas limitam as anotações a breves declarações. Outros criam uma página para cada item da lista e depois escrevem respostas em cada uma das cinco categorias.

  1. Incidente. O que aconteceu? Em poucas palavras, descreva brevemente a sua lembrança do evento. Pense mais em termos de resumo do que de uma longa história.

  2. Efeito. Qual foi o efeito em você ou em outros?

  3. Sentimentos. Quais foram seus sentimentos na época do incidente? Quais são seus sentimentos a respeito dele agora? Pondere como seus temores contribuíram para isso.

  4. Autoanálise. Como seus defeitos ou virtudes de caráter afetaram a situação? Percebe alguma evidência de orgulho, autocomiseração, tentativa de enganar a si mesmo ou egoísmo em suas atitudes e ações? Não deixe também de escrever sobre as ocasiões em que agiu corretamente.

O Espírito Santo pode ajudá-lo a humilhar-se e a enfrentar a verdade, mesmo que seja dolorosa. Com a ajuda do Senhor, você pode reconhecer seus pontos fortes e fracos (ver Éter 12:27). Perguntas como estas podem ajudar:

  • Que resultado você gostaria para essa situação e por quê?

  • Como você procurou controlar a situação?

  • Era algo que tinha a ver comigo?

  • Que ações fiz ou deixei de fazer para conseguir o que eu queria?

  • Ignorei a realidade?

  • Minhas expectativas a meu próprio respeito e de outros eram razoáveis?

  • Menti para mim mesmo ou para outras pessoas?

  • Ignorei os sentimentos alheios e pensei somente em mim?

  • De que modo agi como vítima para controlar os outros, chamar a atenção, suscitar pena, ser especial, etc.?

  • Recusei a ajuda de Deus e de outras pessoas?

  • Insisti que estava correto?

  • Senti-me desprezado por falta de reconhecimento?

  1. Conselho Inspirado. Qual o conselho do Senhor em relação a esse incidente? Lembre-se de que você não tem nada a temer quando se entrega ao Salvador. Você está aqui para aprender a diferenciar o bem do mal, e o Salvador pode ajudá-lo a perdoar-se e a perdoar a outras pessoas Anote seus pensamentos e impressões ao ponderar conselhos inspirados das escrituras e de líderes da Igreja.

 

Quatro elementos necessários

Quatro elementos são essenciais para um inventário moral bem-sucedido — Escrever, ser honesto, buscar apoio e orar. Esses elementos de um inventário moral o ajudarão a reconhecer e vencer pecados e fraquezas.

1. Escrever.

O inventário de sua vida será mais eficaz se você o escrever. Você pode segurar uma lista escrita em suas mãos, analisá-la e consultá-la quando necessário; pensamentos não escritos são facilmente esquecidos, e as distrações podem facilmente interrompê-lo. Ao escrever seu inventário moral, você será capaz de pensar mais claramente nos eventos de sua vida e poderá concentrar-se neles com menos distrações.

Algumas pessoas procuram evitar escrever seu inventário moral, sentindo vergonha ou medo em relação à sua capacidade de escrever ou de que alguém leia o que escreveram. Não deixe que esses temores o impeçam. Sua ortografia, gramática, caligrafia ou habilidade de digitação não importam. Você pode fazer desenhos para representar suas ações, se precisar, mas coloque seu inventário no papel. Até que o tenha tornado tangível, não terá concluído o 4° passo. Ao concluir o 4° passo, lembre-se de que o perfeccionismo — tentar tornar seu inventário perfeito e agradar às pessoas — pode impedi-lo de ser completo.

O medo de que alguém leia o que você escreveu pode ser uma preocupação genuína, mas você pode vencê-lo. Todos que fizemos um inventário tivemos que enfrentar esse temor. Tivemos que fazer todo o possível para manter nosso inventário em segredo e depois confiar os resultados a Deus. Tivemos que nos preocupar mais com a cura do que com nosso ego ou reputação. O inventário exigiu que clamássemos a Deus continuamente, pedindo que nos protegesse e guiasse à medida que o escrevíamos. Você precisa lembrar que o 4° passo é um ato de sair das trevas da vergonha e admitir sua necessidade de arrependimento. Se você mantiver um espírito de oração sobre como e quando mantiver sigilo sobre seu inventário escrito, o Senhor o guiará para o que é melhor.

2. Ser honesto.

Ser honesto consigo mesmo sobre as áreas pecaminosas de sua vida pode ser aterrorizante. Frequentemente as pessoas evitam olhar muito atentamente para si mesmas no espelho do passado, temendo que o reflexo revele a verdade em relação ao que sua vida se tornou. Ao dar o 4° passo, você precisa enfrentar a verdade sobre sua vida e seus temores com determinação.

Em seu inventário, você não apenas descobrirá suas fraquezas mas também compreenderá e apreciará melhor seus pontos fortes. Inclua em seu inventário suas boas qualidade e coisas positivas que fez. Na verdade, você é uma combinação de pontos fracos e fortes. Ao dispor-se a ver a verdade total sobre seu passado — as coisas boas e as coisas ruins — você permitirá que os poderes do céu revelem a verdade e o ajudem a colocar o passado na devida perspectiva. O Senhor o ajudará a mudar o curso de sua vida e a atingir seu potencial divino. Você aprenderá que é como todos os outros humanos, tendo pontos fortes e fracos. Você pode começar a encarar as outras pessoas de igual para igual.

3. Buscar apoio.

O incentivo e apoio de outras pessoas que compreendem o processo de recuperação pode ajudá-lo em seus esforços. Elas podem guiá-lo na descoberta do método, estrutura ou abordagem que melhor lhe adequar para analisar seu passado. Podem incentivá-lo quando estiver desanimado

4. Orar.

Ao ponderar a magnitude do 4° passo e o desafio que ele representa, pense em como o Senhor o ajudou em cada passo anterior. Quando você se voltou para Deus para buscar consolo, coragem e orientação, percebeu a ajuda que continuará com você ao realizar um inventário. Paulo ensinou que Deus é “o Deus de toda a consolação; que nos consola em toda a nossa tribulação” (II Coríntios 1:3–4). Se você orar sempre que se sentar para escrever seu inventário, Deus o ajudará. Você aprenderá essa realidade ao dar esse passo aparentemente impossível — Deus pode estar com você e sempre estará, se você pedir.

 

Libertar-se do passado.

Algumas pessoas têm receio de recordar o passado com medo de inadvertidamente criar lembranças falsas a partir de impressões vagas ou exageradas. Ao fazer seu inventário, pense apenas nas lembranças que são suficientemente claras para serem abordadas e organizadas. Novamente, confiar em Deus é a resposta. Se você conduzir seu inventário com uma oração sincera, real intenção, tendo fé em Cristo, poderá confiar Nele para fazê-lo recordar as coisas que o ajudarão em sua recuperação.

Um resultado glorioso de dar o 4° passo é que ele é um passo importante para libertá-lo de comportamentos que definiram seu passado. O reflexo que você verá de si mesmo ao concluir esse passo pode inspirá-lo a mudar o rumo de sua vida, se você assim o permitir. Graças ao amor e misericórdia do Salvador, você não precisa ser o que foi. Ao suplicar a orientação do Senhor enquanto analisa sua vida, você perceberá suas experiências como oportunidades de aprendizado. Descobrirá que a revelação de fraquezas sofridas por tanto tempo permitirá que você siga em frente para uma nova vida.

 


Ações a Serem Efetuadas

Escrever um diário pessoal; buscar a orientação do Espírito Santo

Para muitos de nós, o inventário foi a primeira vez que tentamos escrever sobre nossa vida. Um diário pessoal pode continuar a ser uma ferramenta muito poderosa de recuperação. Os profetas do Senhor frequentemente ensinaram a importância do diário. O Presidente Spencer W. Kimball, por exemplo, aconselhou: “Escreva (…) suas ações, seus pensamentos mais profundos, suas realizações e seus fracassos, suas amizades e seus triunfos, suas impressões e seu testemunho” (“The Angels May Quote from It”, New Era, outubro de 1975, p. 5).

Se você escrever sobre sua vida em espírito de oração, dará ao Espírito Santo a oportunidade de ajudá-lo a ver e compreender as lições em potencial que advêm de cada uma de suas experiências. Se não estiver escrevendo um diário atualmente, incentivamos que comece agora. Se já estiver escrevendo um diário, incentivamos a ser mais fervoroso ao escrever para que o Senhor possa ensiná-lo e enriquecer seu entendimento por meio de Seu Espírito.

 

Fazer um relato de sua vida passada e presente

Leva tempo para escrever um inventário. Não é preciso apressar-se, mas é preciso começar. O ponto de partida não é tão importante quanto, no final, analisar o seu passado até onde a sua lembrança e a inspiração do Senhor o levarem. Simplesmente escreva as lembranças que lhe vierem à mente. O que você escrever será sigiloso, e você compartilhará essas coisas somente com uma pessoa de confiança que você vai escolher em espírito de oração ao dar o 5° passo. Seu inventário é sobre sua vida, seu relacionamento com você mesmo, com Deus e com as outras pessoas. Ao adquirir a coragem necessária para ver a si mesmo como realmente é, Deus lhe abrirá os olhos, e você começará a ver-se como Ele o vê: como um de Seus filhos com um legado divino. Dê esse passo e mantenha os olhos fitos nesse legado.

 

Não se lembrar mais dos pecados

Depois de ter concluído seu inventário escrito e quando chegar o tempo certo, as partes que incluem expressões negativas ou iradas, relatos de transgressões pessoais ou quaisquer assuntos delicados que não devam ser compartilhados com outros ou transmitidos a gerações futuras, devem ser destruídas. A destruição desses escritos pode ser um símbolo de seu arrependimento e uma vigorosa maneira de deixar o passado para trás. O Senhor prometeu a Jeremias a respeito de Seu povo: “Porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados” (Jeremias 31:34). Devemos seguir o exemplo do Senhor perdoando nossos próprios pecados e os pecados de outras pessoas.

 


Estudo e Compreensão

Estas escrituras e declarações de líderes da Igreja podem ajudá-lo ao dar o 4° passo. Use-as ao meditar, estudar e escrever. Lembre-se de ser honesto e específico ao escrever.

 

Analisar sua vida

“Convido cada um de vocês a fazer uma minuciosa análise de sua vida. Você se desviou dos padrões que sabe que lhe trarão felicidade? Há um canto escuro em sua vida que precisa ser limpo? Você está fazendo coisas que sabe serem erradas? Enche sua mente de pensamentos impuros? Quando está tranquilo e consegue pensar claramente, sua consciência lhe diz que deve arrepender-se?

Para sua paz agora e a felicidade eterna, por favor, arrependa-se. Abra seu coração ao Senhor e peça-Lhe que o ajude. Você receberá as bênçãos do perdão, paz e o conhecimento de que foi purificado e curado. Adquira a coragem de pedir que o Senhor lhe dê forças para arrepender-se agora” (Richard G. Scott, Conference Report, abril de 1995, p. 103; ou Ensign, maio de 1995, p. 77)

  • O 4° passo é uma maneira de seguir o conselho do Élder Scott. Encontre um momento sereno para orar pedindo orientação e coragem para analisar sua vida. Procure em espírito de oração encontrar tempo para uma autoanálise e anotar as ideias que tiver ao ponderar as perguntas do Élder Scott.

 

Reconhecer o passado

“Afastai-vos de vossos pecados; sacudi as correntes daquele que vos quer amarrar firmemente; vinde ao Deus que é a rocha de vossa salvação” (2 Néfi 9:45).

  • Afastar-se dos pecados e sacudir as correntes da dependência são coisas que não podem começar até você reconhecer que os pecados e as correntes existem. Escreva a respeito de sua hesitação ao pensar em ser completamente honesto a respeito de seu passado.

 

Substituir a negação pela verdade

“Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós” (I João 1:8).

  • Uma característica importante da dependência é a negação ou a tentativa de enganar-nos — quando negamos ter o problema. Que efeitos de cura podem advir da substituição da negação pela verdade?

  • Como o 4° passo o ajuda a realizar essa tarefa?

 

A esperança da recuperação

“Lembrei-me de todos os meus pecados e iniquidades, pelos quais me vi atormentado com as penas do inferno; sim, vi que me havia rebelado contra o meu Deus e que não guardara seus santos mandamentos” (Alma 36:13).

  • Lembrar-se dos pecados pode ser doloroso, mas isso pode impeli-lo para uma nova vida de paz (ver Alma 36:19–21). Pergunte a alguém que concluiu esse passo como isso o ajudou. Como a esperança de recuperação o ajuda a passar da dor do remorso para a alegria do perdão?

 

A verdade

“E pelo poder do Espírito Santo podeis saber a verdade de todas as coisas” (Morôni 10:5).

  • Algumas pessoas têm dificuldade de lembrar ou reconhecer a dolorosa verdade referente a seu passado, mas o Espírito Santo pode ajudá-lo a lembrar-se dela e consolá-lo ao dar o 4° passo. Você pode receber essas bênçãos mesmo que não tenha o dom do Espírito Santo. Escreva sobre como o Espírito Santo pode guiá-lo no processo de realizar um inventário.

  • Por que é importante conhecer a verdade sobre sua situação atual?

  • Por que é importante saber que você é um filho de Deus?

 

Fraquezas e pontos fortes

“E se os homens vierem a mim, mostrar-lhes-ei sua fraqueza. E dou a fraqueza aos homens a fim de que sejam humildes; e minha graça basta a todos os que se humilham perante mim; porque caso se humilhem perante mim e tenham fé em mim, então farei com que as coisas fracas se tornem fortes para eles” (Éter 12:27).

  • Aplique esse versículo em sua vida copiando-o e inserindo seu nome como se o Senhor estivesse falando diretamente para você. Escreva os pensamentos que lhe vierem à mente a respeito dessa escritura e sua aplicação pessoal.

 

“A verdade vos libertará”.

“E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32).

  • Ser honesto consigo mesmo e com o Senhor, que também é conhecido como o “Espírito da verdade” (D&C 93:9), é o ponto-chave da liberdade das mentiras que o escravizam. À medida que você vier a conhecer o Senhor, Seu poder e presença em sua vida o libertarão de sua dependência. Como o reconhecimento da verdade pode melhorar seu relacionamento com Jesus Cristo?